terça-feira, 12 de abril de 2011

Especial - 10 Filmes Imperdíveis de Meryl Streep

Que Meryl Streep é minha atriz favorita (da atualidade, Bette Davis ainda reina na eternidade) não é segredo pra nenhum amigo meu. O fato é que a mulher não só sabe escolher seus filmes, como segura suas personagens com a garra e a intensidade que cada um merece. E pra você que claro, conhece ela mas não observou sua carreira com essa atenção, sugiro aqui 10 dos 67 filmes (!) que a atriz estrelou em sua bem-sucedida carreira cinematográfica. Confesso, alguns excelente ficaram de fora para mostrar só 10, mas que sirvam de inspiração para o leitor cavar as prateleiras atrás dos filmes desse dínamo.
Vamos às 10 indicações seguindo uma ordem cronológica. Vale lembrar que todos os citados aqui são facilmente encontrados em DVD.

01 - KRAMER VS. KRAMER (1979)

Os dois lados da moeda em uma separação. De um lado, o publicitário que cresce cada vez mais no trabalho e vai ficando sem tempo para a família. De outro uma mulher que vai entrando em uma depressão e num estado de abandono que a leva a deixar casa, marido e filho. Desamparado, o marido precisa agora abraçar um emprego menor e tentar ser o pai e a mãe do filho. A tensão aumenta quando 1 ano depois, a mãe retorna pedindo a guarda da criança. Um drama de tribunal intenso e humano, com excelentes atuações de Dustin Hofman e Meryl sustentando essa mente perturbada de uma mãe que errou e busca redimir-se. Meryl ganhou o Globo de Ouro e o Oscar com sua interpretação. O filme levou 5 Oscars.

02 - ENTRE DOIS AMORES (1985)

Nos anos 20, Karen (Meryl), uma rica dinamarquesa, vai morar em uma fazenda de café no Quênia com um barão com quem se casou por conveniência. Sendo mais amigos que amantes, o casal acaba se separando e enquanto ele vai embora ela continua trabalhando e se adaptando ao novo lar. Até que conhece Denys (Robert Redford), um aventureiro e aristocrata inglês com quem tem um forte envolvimento e se torna o grande amor da sua vida. O conflito amoroso, a visão de uma mulher separada na época, a difícil vida na África, tudo regido primorosamente por Sidney Pollack neste filme vencedor de 7 Oscars que rendeu a Meryl mais uma indicação ao Oscar e ao Globo de Ouro.

03 - A MORTE LHE CAI BEM (1992)

Esta comédia não é nada complexa, pelo contrário, é bem fácil de entender, com uma base fantasiosa, mas o trio de protagonistas seguram diálogos divertidíssimos e fazem deste um clássico a ser visto. Na trama Meryl é Madeleine, atriz famosa que luta contra a idade e busca a juventude enquanto enfrenta um casamento fracassado com um maqueador de mortos (Bruce Willis) que se vê numa enrascada quando seu antigo amor (Goldie Hawn) resurge mais bela e jovial que nunca. A batalha dessas duas renderão cenas hilárias e excelentes efeitos especiais. O filme ganhou o Oscar de Efeitos Visuais e Meryl foi indicada ao Globo de Ouro.

04 - A CASA DOS ESPÍRITOS (1993)

Este talvez seja o filme com menos premiações da carreira de Meryl, que não foi indicada a nada com sua Clara, mas eu tenho ele como um de meus favoritos, uma bela adaptação da obra de Isabel Allende com astros e atrizes que admiro, incluindo Jeremy Irons, a intensa Gleen Close, Winona Ryder e Antonio Banderas. A história do Chile da década de 20 aos anos 70 é contada através da saga da família Trueba, que começa com a união de um homem simples (Jeremy Irons), que fica rico, com uma jovem (Meryl Streep) de poderes paranormais. A saga se desenvolve até esta família ser atingida pela revolução, que no início da década de 70 derrubou o presidente Salvador Allende. Cenas belíssimas, fotografia linda e um roteiro que conta bem a história do começo ao fim. Arrepia.

05 - AS PONTES DE MADISON (1995)

Poucas vezes li um livro e gostei mais de sua adaptação cinematográfica. Mas este romance foi recebido pela genialidade de Clint Eastwood que soube com quem dividir a tela nessa história de um amor que chegou tarde demais. Na trama, a esposa de um caminhoneiro que vive longe decide hospedar e orientar um veterano fotógrafo da National Geographic que está na cidade para fotografas as famosas Pontes de Madison. Porém esses 4 dias onde os dois só tem um ao outro como companhia, surge um amor difícil de esquecer. Lindo, de arrancar lágrimas. Meryl foi indicada ao Oscar e ao Globo de Ouro com sua Francesca.

06 - AS HORAS (2002)

Um dos meus dramas favoritos, As Horas tem um dos roteiros mais bem amarrados e brilhantes que já vi. Na trama, acompanhamos 3 épocas diferentes influenciadas por um livro. Na primeira fase, a vida da própria escritora Virgínia Wolf que enfrentava sua depressão enquanto escrevia seu último romance, Miss Dalloway. Na década de 50, uma dona de casa (Juliane Moore) com a aparente vida perfeita se vê confrontada pela dor da protagonista do livro e passa a questionar sua própria vida. E em 2002, uma editora (Meryl) enfrenta uma situação muito similiar ao da protagonista ao ter que preparar um festa que não é a dela. Muitas coisas se desenrolam, muitas surpresas e, na minha opinião, o melhor trio de atrizes em um filme até hoje. Todas as 3 foram indicadas a diversos prêmios, incluindo Oscar e Globo de Ouro.

07 - O DIABO VESTE PRADA (2006)

Talvez este o leitor já tenha visto, é uma das comédias mais badaladas, especialmente entre mulheres, gays e fashionistas, mas garanto ser um bom entretenimento para todos. No filme Meryl é Miranda, diretora mão de ferro de uma das maiores revistas de moda do mundo e que precisa de uma assistente. Após vários fracassos, pode ser nas mãos da nerd e destrambelhada Andrea (Anne Hathaway, para mim uma das maiores promessas do mercado) que ela encontrará seu braço direito. Diálogos impagáveis, um grupo de atores intensos em cena e um roteiro bem amarrado fazem deste um dos melhores filmes de 2006. Meryl foi indicada ao Oscar e venceu o Globo de Ouro.

08 - MAMMA MIA! (2008)

Tá, eu sei que é um filme simples, romantico até a última gota de mel e nada profundo. Mas não dá pra não se apaixonar quando um filme é embalado por canções do Abba e tem no elenco Meryl, Colin Firth, Julie Walters e Christine Baranski para nos entreter! Na trama, Donna é a proprietária de um hotel caindo aos pedaços numa pequena ilha grega que prepara o casamento de sua filha Sophie. Mal ela sabe que para o evento Sophie convidou seus 3 possíveis pais. É diversão garantida com cenas de encher os olhos. E sim, Meryl foi indicada ao GLobo de Ouro com este também.

09 - DÚVIDA (2008)

Outra adaptação fantástica de uma peça teatral, comparo com a adaptação de Um Bonde Chamado Desejo na qualidade que o roteiro seguiu para as telonas. Meryl, Phillip Seymour Hoffman e Amy Adams estão incríveis e intensos nessa complexa trama onde numa escola católica madre superiora começa a desconfiar que o padre do local tem tido segundas intenções com alguns de seus alunos. A proporção que a fofoca toma e a base de que uma dúvida não é uma confirmação, mas pode danificar tanto quanto é o que seguram essa excelente trama. O filme teve 5 indicações ao Oscar, Meryl foi uma delas e também ao Globo de Ouro.

10 - JULIE & JULIA (2009)

Uma comédia simples e belíssima, uma história real que poderia ter acontecido com você, com sua vizinha, contada com uma delicadeza e um respeito que fizeram de um filme simples um dos melhores de 2009. Na trama Julie (Amy Adams) é uma funcionária pública que cansada do marasmo de sua vida, decide criar um blog e se propõe neste a dentro de um ano fazer todas as receitas do grande livro da culinarista Julia Child (Meryl) espécie de "Palmirinha" das antigas, que ficou famosíssima nos Estados Unidos e Europa com sua maneira simples de descomplicar a culinária francesa. Passamos então a acompanhar não só essa saga culináris, mas a vida dessas duas mulheres e como uma completou a vida da outra. Lindo, divertido, apetitoso, um filme que deve assistir. E preciso dizer? Meryl foi indicada ao Oscar e ao... bom, dá pra deduzir.

Recomendo que assista todos os que não viu e reveja os já vistos focando sua atenção em como Meryl se adapta às suas personagens, não deixa a atriz aparecer mais, respeita a grandeza que cada papel já tem e se permite embarcar na complexidade ou mesmo na simplicidade sincera destes.

Um comentário:

Bárbara Linhares disse...

ADORAVA ver A MORTE LHE CAI BEM!! Eu adoro esta atriz! bjs