sexta-feira, 19 de março de 2010

Crítica - Coronado


Coronado é uma peça de Dennis Lehane, o mesmo autor de Sobre Meninos e Lobos, traduzida por Fernando Oliveira e dirigida por David Rock, em cartaz no teatro Augusta em São Paulo.
Seu enredo deve ser pouco falado aqui, uma vez que são as surpresas deste que trazem brilho ao espetáculo. Mas basicamente a peça retrata 3 histórias, a de uma paciente e seu psicólogo, sendo esta vítima de amnésia e cúmplice de um assassinato, a de uma mulher que trai seu marido com um de seus funcionários e a de pai e filho bandidos que precisam encontrar um diamante valioso.
Quanto a história, paro por aí para não estragar a peça. Pois é no desenvolvimento destas personagens e o entrelaçar que as tramas vão criando que está o grande mérito de Coronado. A produção simples e eficiente, utilizando de cubos de madeira para reproduzir mesas, cadeiras, colunas, escadas, auxilia o desprendimento do público a tais detalhes, o que contribue para o foco principal: a trama. A peça é um suspense e é preciso atenção aos diálogos bem-construídos para se permitir, aos poucos, decifrar seus enigmas. Eu confesso nunca ter assistido um suspense propriamente dito no teatro, e o funcionamento deste me preocupava, mas nesta peça os elementos surpresa estão presentes e funcionam perfeitamente. Junte isso a um elenco afinado e visivelmente compenetrados na psique de seus personagens e a história está bem contada.
Alguns problemas ficam aparentes, como um caso de faixa etária entre os atores, que não posso explicar o por quê, mas me incomodou, como atores que devem ter, no máximo, 5 anos de diferença fazendo papéis com 18 anos entre eles e algumas entonações quase que canastronas de 2 atores por momentos me incomodaram, mas nada que comprometesse o desenrolar e o fato de que Coronado é uma peça que deve ser apreciada como um episódio de Você decide, lembra?
Infelizmente, a peça fica em cartaz até a próxima quinta-feira (25/03) tendo uma apresentação também na quarta. Ambas as 21 horas. Mas se tiver tempo e vontade de conhecer um gênero tão diferente nos palcos. Confira e não vai se arrepender.

Um comentário:

João Thiago disse...

Seu texto ficou nota dez. Os leitores adoraram. Parabéns!